sábado, 18 de dezembro de 2010

Receitas Veganas para o seu Natal.


Clique aqui para baixar as receitas.
E Bom Alimento.

Fonte: Vista-se.com.br

More Doctors Smoke Camels Than Any Other Cigarette

Cigarro: se não por você, por eles.




A indústria do cigarro é nociva para os humanos e isso não é novidade para ninguém. Desde o início ela tentou incentivar as pessoas a consumirem seu produto das formas mais torpes possíveis. Em 1949, a empresa R. J. Reynolds Tobacco Company, que produziu o famoso cigarro Camel durante décadas, lançou uma campanha publicitária que deixaria qualquer um da época muito seguro em relação ao cigarro, que provavelmente já vinha sendo questionado sobre sua ação danosa na saúde. Eles não poderiam encontrar melhores garotos propaganda: médicos. Isso mesmo, médicos!

Quando uma pessoa se torna vegetariana, ela certamente questiona muito mais o seu meio e de onde vêm os produtos que consome. A partir do momento que o veganismo entra na vida dessa pessoa, é praticamente impossível não questionar tudo a sua volta. Por quê com os cigarros seria diferente, não é?

O que muita gente não sabe, ou não sabia antes de ler este artigo, é que a indústria tabagista não é cruel apenas com o animal Homem mas sim com muitas outras espécies. A maioria absoluta das empresas que fabricam esses “tira-ansiedade-com-fumaça” tortura e mata milhões de animais todos os anos. Quando o consumidor paga R$ 4,25 num maço de Malboro ele está pagando, de forma indireta, uma luva ou uma máscara daquele que vai torturar até a morte milhares de cachorros, coelhos, ratos, gatos, macacos entre outros animais inocentes.

Por quê Beagles?

Uma peculiaridade tétrica do mundo dos testes em animais é o uso de cães da raça Beagle, muito queridos em todo o mundo. Eles são conhecidos por seu pequeno porte e por serem muito dóceis. Adoram brincar e são altamente sociáveis, dificilmente avançam em alguém. Este comportamento amigo é justamente o que leva milhares deles às celas dentro dos laboratórios. Esse jeito dócil destes animais facilita o manejo para que os cientistas enfiem mangueiras pelas gargantas dos pobres cachorros ou para que eles os forçem a inalar fumaça com aparelhos que lembram máquinas medievais de tortura

Há quem afirme que algumas marcas de cigarro não fazem testes em animais. Infelizmente as informações ainda são confusas sobre isso na internet e é mais fácil encontrar quem faça do que quem não faça. Se você tiver informações sobre marcas que não fazem testes (com fonte), compartilhe nos comentários para que possamos melhorar este artigo.

A grande maioria dos veganos o são por respeito às outras espécies e não por saúde. Então: Se não por você, por eles.

Algumas fontes muito interessantes (em inglês):

1. http://elizabethely.com/2010/06/21/more-information-on-animal-testing-by-tobacco-companies/
2. http://www.dawnwatch.com/animal_testing.htm
3. http://www.youtube.com/watch?v=OwFilaK8q9g
4. http://www.youtube.com/watch?v=MMVwk0o17io
Fonte: Vista-se.com.br

Esta sim é a Grande Fábrica Fantástica, e aii?




Fonte: Vista-se.com.br

Protesto do Veddas em 10/12/2010

Ana Ceregatti - Nutricionista - Dicas sobre Alimentação

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Morrissey critica primeiro-ministro inglês por sua postura pró-caça aos animais



O ex-vocalista da banda Smiths e ícone do pop de qualidade dos anos 80, Morrissey, publicou uma nota de apoio ao ex-companheiro de banda Johnny Marr em sua crítica ao primeiro-ministro inglês David Cameron.

Marr havia dito à imprensa que não aprecia o fato de que o primeiro-ministro gosta da música da banda por causa do aumento do custo das universidades. Marr chegou a proibir que o político gostasse da música dos Smiths.

Apesar de não mais falar com Marr, Morrissey se juntar ao debate publicamente, lembrando a postura pró-caça do primeiro-ministro. Ele disse: “David Cameron mata veados – e aparentemente por prazer. Não foi para pessoas como ele que Meat is Murder e The Queen is Dead foram gravadas; na verdade, elas foram feitas como uma reação contra esse tipo de violência”, o cantor escreveu.

Morrissey lembra que Cameron e seu partido defendem a derrubada de uma legislação (“Hunting act” de 2004) que proíbe a caça no país e que foi instituída durante a era Blair, embora os aristocratas ruralistas descumpram descaradamente a lei.

Ele também dispara contra a família real, que sempre aparece em público matando animais. “Intelectualmente, é verdade que a chamada ‘família real’ não vale muito quando se trata de padrões morais. A rainha anualmente assina o contrato de morte de ursos marrons canadenses para que seus guardas tenham chapéus bonitinhos. Os bebês de ursos adultos que testemunham a morte de suas mães são abandonados a uma morte lenta e solitária. A verdade amarga e sóbria é que a rainha da Inglaterra é indiferente a esse barbarismo e nunca expressou preocupação com esse assunto”, ele disse.

O cantor termina o artigo dizendo que “a recusa de comer animais continua sendo um gesto político” e manda um recado a David Cameron: “O mundo ama o homem que ouve. Mas nós não podemos crer no que você diz quando nós sabemos o que você faz.”

As informações são do site True To You.

Fonte: ANDA

Enquanto você não abre mão da carne.



Fonte: Cantinho Vegetariano.

Ana Maria Braga dedica prato com carne á Paul McCartney


A apresentadora Ana Maria Braga não poderia ter cometido gafe maior! Poucos minutos antes de encerrar o Programa Mais Você que foi ao ar no dia 08.11.2010, ela fez comentários sobre o show do ex-beatle Paul McCartney, realizado no dia anterior em Porto Alegre (RS). Disse ainda que gostaria de vê-lo no Rio de Janeiro e dedicou a ele o prato que tinha acabado de preparar. Detalhe: o prato - batizado com o nome de Carne Espiritual - leva carne em seus ingredientes. E não é segredo pra ninguém que o nosso querido Paul é vegetariano e ativista pelos direitos animais há décadas.

Sempre na mídia com trabalhos de conscientização em ralação ao vegetarianismo, Paul criou em junho de 2009, juntamente com suas filhas Stella e Marcy McCartney, a campanha Meat Free Monday - no Brasil, Segunda sem Carne. O objetivo da campanha é chamar a atenção da humanidade, para o fato de que a mudança no hábito alimentar de comer carne é a medida mais eficaz – e urgente – para diminuirmos a evolução do efeito estufa, uma vez que a indústria da carne é responsável por 18% do total das emissões de gases em todo o mundo – o que representa mais poluição que o setor de transporte, responsável por 13% das emissões.

Fonte: Cantinho Vegetariano.

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Vital Camisetas.






Consciência é a chave para TUDO.

Atualmente, nós da Vital Camisetas® oferecemos duas opções de produtos: as camisetas promocionais e as coleções, com estampas exclusivas. Os dois segmentos têm a mesma intenção: levar ao público por meio de camisetas uma mensagem a ser divulgada (seja ela uma imagem, um texto ou uma marca). Nas camisetas promocionais, o cliente que nos contatar vai definir essa mensagem a ser transmitida e nas nossas coleções, nós é que vamos comunicar algo! Por isso, conheça um pouco melhor as nossas propostas navegando em nosso site ou simplesmente entrando em contato conosco.

Contatos

Fone:
(11) 4412-5769 / (19) 9288-3978
E-mail: vitalcamisetas@hotmail.com
MSN: vitalcamisetas@hotmail.com
Fonte: Divulgação Orkut.

terça-feira, 2 de novembro de 2010

Comerciais vegetarianos da PETA - (Legendado)

Folhetos pelas Ruas.



Primeiramente NÃO JOGUEM LIXO em vias PÚBLICAS e outra se você der de cara com uma menina de dreads baixinha entregando folhetos ou qualquer outra pessoa sobre Vegetarianismo ou algo similar, não negue porque um simples papel pode mudar o sua ATITUDE e o MUNDO, isso depende de vocês é claro.

Vida Longa para todos os seres.

Você Cresceu mesmo?


Protesto SHAC em São Paulo



Finalmente o Brasil entra para a campanha mundial.

No dia 24 de setembro de 2010, o Brasil participou da Semana de Ação da controversa campanha internacional SHAC (Stop Huntingdon Animal Cruelty), que pressiona para o fechamento do maior laboratório de vivissecção do mundo, a Huntingdon Life Sciences, que mata 500 animais por dia em seus laboratórios e tortura outros milhares a cada instante.

A campanha para o fechamento da HLS conta com cerca de 10 protestos semanais em todo o mundo (mais de um por dia) e agora, pela primeira vez, o Brasil participa oficialmente da campanha mundial, que é tida como a campanha de maior sucesso contra a experimentação animal.

Marcando o primeiro protesto da SHAC no Brasil, 30 ativistas pelos direitos animais reuniram-se em São Paulo para protestar em frente ao escritório da Nomura, uma empresa que detém 30% das ações da Fortress Investment Group, que por sua vez fez um empréstimo vital à Huntingdon Life Sciences (HLS), cuja saúde financeira está em apuros já faz alguns anos. Sem o apoio financeiro da Fortress, a empresa já teria vindo à falência. O empréstimo tem vencimento em dezembro de 2010 e, caso a Fortress não o renove, a empresa terá que fechar as portas.

Diante de um prédio comercial localizado na Avenida Brigadeiro Faria Lima, região nobre da cidade de São Paulo, os ativistas expuseram ao público e aos vizinhos da Nomura, de maneira muito vocal, onde a empresa escolhe investir o seu dinheiro: tortura animal e ciência fraudulenta. Para melhor ilustrar para onde vai o dinheiro investido, foi montado na calçada em frente ao prédio um aparato multimídia que mostrou a dor e tortura que acontecem dentro do laboratório HLS e sobre os quais a Nomura e a Fortress têm responsabilidade direta.

Por mais de duas horas os ativistas seguraram cartazes e gritaram os fatos sobre as torturas patrocinadas pela Nomura enquanto pedestres e vizinhos se informavam por meio dos vídeos e panfletos que foram distribuídos. Uma funcionária de uma empresa situada no mesmo prédio ofereceu-se para deixar panfletos em cada escritório do prédio para que todos os seus vizinhos da Nomura fossem informados sobre as suas práticas sujas.

Membros da imprensa estiveram presentes para registrar a ação e a polícia militar foi chamada, podendo apenas observar o protesto que, apesar de muito enérgico, teve caráter pacífico. Um dos funcionários responsáveis pela administração do prédio confrontou os ativistas, mas logo se viu obrigado a retornar ao interior do prédio.

Os ativistas paulistanos ficaram muito satisfeitos em ter finalmente dado início no Brasil à campanha mundial SHAC, gritando mais alto do que jamais gritaram! Tendo dado início a essa campanha no Brasil, novos alvos estão sendo pesquisados e a campanha não parará até que a HLS tenha fechado as suas portas de maneira definitiva!

Veja as fotos aqui

Assista ao video do protesto aqui

Para saber mais sobre a campanha SHAC, acesse www.shac.net – a publicação do protesto em São Paulo está aqui

Fonte: Veddas

Vegetarianismo ÉTICO - O respeito pelos animais começa no prato



A excelente matéria abaixo é do blog vegetugas, os Vegetarianos Portugueses.

Todos os dias são abatidos milhões de animas para alimentação humana. Este incomensurável sofrimento que se inflige aos animais é completamente injustificado, pois os humanos não têm nenhuma necessidade de se alimentarem de animais. Se somos contra crueldade desnecessária e violência gratuita, devemos também ser contra a utilização de animais na indústria alimentar. Está nas mãos de cada um de nós, aqui e agora, demarcarmo-nos desta crueldade, adotando uma dieta vegetariana.

O vegetarianismo ético é a aplicação prática na nossa vida do princípio do respeito pelos animais e do princípio da não-violência. O vegetarianismo ético não é como uma moda passageira que se adota e depois se esquece, é uma questão de princípios e os princípios são para toda a vida.

Porque Ser Vegetariano?

Ao contrário do que muitas pessoas ainda julgam, o ser humano não tem nenhuma necessidade de se alimentar de outros animais; fazemos isso apenas por costume, por comodismo ou para satisfazer o nosso paladar. Uma dieta vegetariana bem planejada é tão ou mais saudável do que uma dieta omnívora bem planeada.
A maior parte de nós nunca ponderou sequer porque motivo come aquilo que come e com que justificação o faz. Limitamo-nos a comer o mesmo que os nossos pais comem, o mesmo que os nossos familiares e amigos comem, ou aquilo que a indústria alimentar nos impinge.
Chegou a altura de pensarmos pela nossa própria cabeça. As nossas ações têm consequências e a consequência de comermos produtos de origem animal é o sofrimento injustificado de milhares de animais.

Não Se Trata de Caridade, Trata-se de Respeito

O vegetarianismo ético é a base do respeito pelos animais. É a aplicação na nossa vida do princípio da não-violência e da justiça para com os seres de outras espécies.
Não temos necessariamente de gostar de animais nem de ser caridosos para com os animais, mas sim de respeitá-los. Da mesma forma que não temos obrigação de ajudar as pessoas sem-abrigo, também não temos obrigação de ajudar um cão que vemos abandonado na rua, por exemplo. No entanto, ainda que não façamos absolutamente nada para ajudar os animais, a nossa obrigação ética mínima é fazer aquilo que estiver ao nosso alcance para não os prejudicar. E a coisa mais importante que podemos fazer para poupar sofrimento aos animais é adotar uma dieta vegetariana.

Questões Frequentes

O que é o vegetarianismo ético?


O vegetarianismo ético é uma dieta baseada em vegetais, que exclui os animais e os produtos de origem animal. Diz-se ético, porque não é motivado por questões de gosto (costuma dizer-se que os vegetarianos não gostam de carne, o que não é rigoroso) nem por questões de saúde (embora nos devamos obviamente preocupar com a saúde). O vegetarianismo ético é motivado pelo respeito pelos animais e/ou por questões ambientais que afetam os direitos dos humanos e não-humanos que habitam este planeta.
O objetivo de um vegetariano ético deve ser adotar uma dieta estritamente vegetariana (ou vegana) excluindo da sua alimentação, para além da carne e do peixe, os ovos e os laticínios. A indústria de produção de ovos e laticínios acaba por causar mais sofrimento aos animais do que a produção de carne. Causa mais sofrimento, porque, no caso dos laticínios e dos ovos, os animais vivem (miseravelmente) durante mais tempo antes de serem também eles abatidos e comidos.

Apesar de o vegetarianismo estrito ser a atitude mais coerente a tomar, a maioria dos vegetarianos abandonou primeiro a carne e o peixe e só passado bastante tempo deixou por completo os laticínios e/ou os ovos. O importante é reduzir progressivamente o consumo de produtos de origem animal e não cair no erro de pensar que só a carne e o peixe é que são condenáveis. Muito provavelmente, há mais sofrimento num copo de leite do que num bife.

Por que motivo merecem os animais respeito?

Os animais merecem ser respeitados, porque são, em muitos aspectos fundamentais, idênticos aos humanos. Na verdade, qualquer pessoa que conviva de perto com um animal pode constatar a complexidade do seu lado psicológico e como cada animal tem uma personalidade única. É por isso que não conseguimos conceber comer um cão ou um gato. Contudo, é tão errado e injustificável comer um cão como comer um porco. Na verdade, os porcos até são mais inteligentes do que os cães.
Hoje em dia, é consensual que muitos animais (nomeadamente os animais utilizados na indústria alimentar) são seres conscientes da dor e do prazer, seres que se podem alegrar ou entristecer, seres com memória do passado e com capacidade de antecipar o futuro, seres que aprendem, seres com uma vida própria que lhes pode correr melhor ou pior. Em suma, são seres que possuem as características necessárias e relevantes para merecerem o nosso respeito. Como tal, é eticamente indefensável infligir-lhes sofrimento desnecessário, mas é precisamente isso que fazemos ao alimentarmo-nos deles.

Porque deixar de comer animais em vez de pedir que sejam tratados condignamente?

Há dois problemas com esta visão. Por um lado, sugere que não há nenhum problema em continuar a criar, explorar e matar os animais, desde que o façamos com um mínimo de sofrimento para os animais. Na nossa opinião, a exploração dos animais é injustificável em si mesma, independentemente da forma como fazemos essa exploração e por mais que tentemos adornar a imagem.
Por outro lado, esta visão sugere que é possível continuar a explorar os animais (ou, mais precisamente, a explorar cada vez mais animais, já que esta indústria tem tido um crescimento exponencial) sem lhes causar grande sofrimento, o que é completamente ingênuo (algo que os anglo-saxônicos apelidam de wishful thinking).

Segundo um relatório da ONU, prevê-se que tanto a produção de carne como a produção de leite dupliquem pelo ano 2050 (relativamente aos valores de 2000). A produção de carne aumentará de 229 milhões de toneladas para 465 milhões de toneladas, enquanto que a produção de leite aumentará de 580 milhões de toneladas para 1043 milhões de toneladas. Isto traduz-se em muitos mais milhões de animais a viverem vidas de sofrimento constante.

A esperança seria alguma eventual legislação de bem-estar animal que obrigasse a indústria a tratar os animais condignamente. Mas é mais provável as galinhas ganharem dentes do que isso acontecer. A indústria de exploração dos animais é uma indústria poderosíssima com um lóbi a condizer. Esse lóbi tem força mais do que suficiente para impedir qualquer medida legislativa que se pudesse traduzir numa melhoria significativa no bem-estar dos animais (oferecer bem-estar aos animais custa dinheiro). O que se verifica na prática é que as leis de bem-estar animal só são aprovadas quando não há oposição da indústria alimentar. As melhorias que se vão conseguindo através de legislação eliminam algumas práticas de crueldade mais gritante, mas a vida dos animais continua a ser um inferno. Nos EUA e no Reino Unido, por exemplo, onde já há legislação de bem-estar animal há mais de um século, cada vez há mais animais a sofrer e das piores formas possíveis (explorados em massa e em absoluto desrespeito pela sua natureza).

Ninguém vai proteger por nós os animais utilizados na indústria alimentar. Esses animais são apenas recursos descartáveis numa indústria que nunca será uma indústria compassiva. Para a indústria alimentar, o único valor dos animais é o seu valor comercial, o qual é insignificante face aos custos de funcionamento e ao valor das instalações. Mesmo para quem defenda apenas o bem-estar animal e não os direitos dos animais, o vegetarianismo ético constitui o único meio realmente eficaz de poupar sofrimento aos animais utilizados na indústria alimentar.

Porque poupar sofrimento aos animais se as plantas também são seres vivos?

A resposta é tão óbvia que é quase desnecessária. O argumento (se é que se pode chamar a isso argumento ) de que as plantas são seres vivos e, por conseguinte, também sofrem, é um argumento absolutamente inválido. Claro que as plantas são seres vivos (como também o são as bactérias e outros organismos unicelulares, por exemplo), mas ninguém defende que ser-se um «ser vivo» seja condição suficiente para se ter a capacidade de sofrer — para um ser sofrer é necessário que tenha uma mente e um sistema nervoso, o que obviamente não é o caso das plantas.
Claro que se, por absurdo, as plantas sofressem, o vegetarianismo continuaria a ser a escolha mais acertada, uma vez que quem é vegetariano tem uma dieta muito mais eficiente, ao passo que os omnívoros consomem indiretamente muito mais plantas (utilizadas na alimentação dos animais).

Porque adotar uma dieta que não é a dieta “natural” dos humanos?

Os humanos são animais omnívoros, mas têm características fisiológicas muito mais próximas dos animais herbívoros do que dos carnívoros. Ser omnívoro não significa que se tenha de comer carne ou outros produtos de origem animal, significa apenas que conseguimos digerir esses alimentos. Os produtos de origem animal não só não são necessários para uma dieta equilibrada, como têm muitos efeitos nocivos para a saúde humana.

Mas não há vários nutricionistas que dizem que é preciso comer carne/peixe/beber leite?
Sim, há, mas estes precisam atualizar os seus conhecimentos (talvez ainda não os tenham atualizado desde que saíram da faculdade ). A posição da Associação Americana de Nutrição e da associação Nutricionistas do Canadá é que «uma dieta estritamente vegetariana (vegana) e outros tipos de dietas vegetarianas bem planeadas são apropriadas para todas as fases da vida, incluindo gravidez, aleitamento, primeira infância, infância, e adolescência» e que «as dietas vegetarianas oferecem diversas vantagens nutricionais».
Claro que a dieta vegetariana não é nenhuma dieta milagrosa que cure ou previna todas as doenças e nos faça viver até aos 120 anos — como alguns vegetarianos bem-intencionados, mas demasiado entusiastas, nos parecem querer sugerir. Como em qualquer outra dieta, é preciso um planeamento adequado para se conseguir uma nutrição equilibrada. Na verdade, numa dieta estritamente vegetariana, é preciso um planejamento mais cuidadoso do que numa dieta omnívora. Porém, a recompensa desse “esforço” é saber que estamos contribuindo decisivamente para termos uma saúde melhor e um planeta mais sustentável, ao mesmo tempo que aplicamos efetivamente na nossa vida o princípio do respeito pelos outros animais.

Porque negar a evolução natural do homem que se baseou na dieta omnívora?

Não colocando em causa a necessidade que os humanos possam ter tido de se alimentar de carne em tempos passados, hoje em dia não há nenhuma necessidade de continuarmos a fazê-lo, antes pelo contrário. Adotar uma dieta vegetariana é continuar a evoluir. Por um lado, evoluir em direção a uma sociedade mais justa e pacífica, onde seja dado aos animais não-humanos o respeito que eles merecem. E, por outro lado, evoluir em direção a um planeta mais sustentável, onde seja possível alimentar mais pessoas, ao mesmo tempo que se reduzem os fortes impactos negativos no ambiente resultantes da criação de animais para consumo humano.

Porque abdicar de comer animais se os humanos estão no topo da cadeia alimentar?

Ninguém nega que os humanos têm capacidade para dominar os outros animais. Mas uma coisa é ter poder, outra coisa muito distinta é ter razão. O fato de uma pessoa conseguir subjugar outra pessoa mais fraca do que ela não lhe dá o direito de o fazer. Do mesmo modo, o poder que nós temos sobre os outros animais não nos confere o direito de os comer ou explorar.

Porque deixar de comer animais se eles próprios se comem uns aos outros?
Esta questão é engraçada, porque aquilo que os animais não-humanos fazem é normalmente dado como exemplo daquilo que os humanos se devem abster de fazer (já que somos supostamente superiores). Contudo, quando nos convém, invertemos rapidamente os papéis para tentar arranjar alguma desculpa.
A verdade é que aquilo que os outros fazem (sejam humanos ou não-humanos) não serve de justificação para as nossas ações — a menos que ainda estejamos na escola primária.
Para os animais que comem outros animais não existe nenhuma escolha moral subjacente a essa ação. No entanto, nós, humanos, temos a capacidade e o poder para escolher moralmente. E se nós podemos escolher não causar sofrimento, e ainda assim escolhemos causar sofrimento, será que não há nada de errado nisso?

Por que preocuparmo-nos com os animais quando há problemas mais graves?

O fato de existirem problemas mais graves do que outros não é de forma nenhuma desculpa para ignorarmos os problemas menos graves.
O que é mais importante? O problema da fome extrema em África ou o problema da perda de poder de compra dos trabalhadores? Seguramente, o problema da fome extrema é mais grave, mas significa isso que devemos deixar de lutar por aumentos salariais justos para as classes mais desfavorecidas? Claro que não. Do mesmo modo, podemos respeitar os direitos dos animais ao mesmo tempo que ajudamos a combater outros problemas, sejam eles mais ou menos graves.
É engraçado que não se ouve ninguém perguntar “porque gastas tanto dinheiro para ver jogos de futebol quando podias ajudar as crianças que morrem de fome?” ou “porque passas o tempo vendo televisão quando podias fazer voluntariado para ajudar pessoas necessitadas?”. Ninguém critica essas pessoas, porque elas não incomodam a consciência de ninguém. Paradoxalmente, são aqueles que fazem alguma coisa por uma mudança na sociedade que são sempre alvo destas críticas — e quem faz as críticas são normalmente os mais comodistas da sociedade.

Qual a relação da dieta vegetariana com o ambiente? E com o problema da fome?

A dieta vegetariana é uma dieta muito mais eficiente em termos energéticos e em termos de poupança de recursos naturais do que a dieta omnívora. Tal fato explica-se muito facilmente: ao comermos animais, estamos comendo indiretamente os vegetais de que esses animais se alimentaram. Se comermos diretamente os vegetais, o processo é várias vezes mais eficiente.
Com idênticos recursos naturais, podemos alimentar muitas mais pessoas com uma dieta vegetariana do que com uma dieta omnívora. O vegetarianismo não vai resolver o problema da fome no mundo, mas é seguramente um passo na direção certa.
No que concerne ao ambiente, uma dieta vegetariana contribui para minorar diversos problemas muito graves, nomeadamente o aquecimento global e a desmatamento (a principal causa de ambos é a criação de animais para alimentação), a falta de água potável (quase 1/10 de toda a água potável utilizada pelo homem a nível mundial é utilizada para criação de animais para alimentação) e a poluição (uma das principais, senão a principal causa de poluição dos recursos hídricos é também a criação de animais para alimentação).

Fonte: Vegetugas, Vista-se.

ONU recomenda dieta vegana para combater mudança climática



Uma mudança global para uma dieta vegana é vital para salvar o mundo da fome, pobreza de combustíveis e os piores impactos da mudança climática, diz um novo relatório da ONU. A previsão é de que a população mundial chegue a 9.1 bilhões de pessoas em 2050 e o apeite por carne e laticínios é insustentável, diz o relatório do programa ambiental da ONU (UNEP).
A agricultura, particularmente produtos de carne e laticínios, é responsável pelo consumo de cerca de 70% da água doce do mundo, 38% do uso de terra e 19% das emissões de gases estufa, diz o relatório que foi lançado para coincidir com o dia do meio ambiente no próximo sábado (05 de junho).

Diz o relatório: “Espera-se que os impactos da agricultura cresçam sustancialmente devido ao crescimento da população e o crescimento do consumo de produtos animais. Ao contrário dos combustíveis fósseis, é difícil producar alternativas: as pessoas têm que comer. Uma redução substancial de impactos somente seria possível com uma mudança de dieta, eliminando produtos animais.”

O painel de especialistas categorizou produtos, recursos e atividades econômicas e de transporte de acordo com seus impactos ambientais. A agricultura se equiparou com o consumo de combustível fóssil porque ambos crescem rapidamente com o maior crescimento econômico, eles disseram.

Professor Edgar Hertwich, o principal autor do relatório, disse: “Produtos animais causam mais dano que produzir minerais de construção como areia e cimento, plásticos e metais. Biomassa e plantações para animais causam tanto dano quanto queimar combustíveis fóssil.”

Ernst von Weizsaecker, um dos cientistas que lideraram o painel, disse: “Crescente afluência está levando a um maior consumo de carne e laticínios – os rebanhos agora consomem boa parte das colheitas do mundo e, por inferência, uma grande quantidade de água doce, fertilizantes e pesticidas.”

Fonte: Guardian e Vista-se.

Protetoras pedem ajuda para cães que sofrem em terreno invadido por dependente químico em Embu (SP)



Apelo para a sensibilidade para que alguém nos ajudem a salvar estes sofridos animais, a situação deles é desesperadora. Até agora ninguém se prontificou a ajudá-los! Por favor, por caridade, imploramos por ajuda! Eles tem até dia 08 deste mês para sair deste precário lugar e não têm para onde ir.

Estes animais inocentes, inclusive alguns muito velhos e um cego, estão sofrendo e sua situação é cada vez pior. Eles são cuidados por um gari da prefeitura de Embu-SP, que os resgatou das ruas em estado precário e os colocou em um terreno abandonado. Porém, um rapaz drogado invadiu o terreno e não deixa o gari entrar para alimentar os animais.

Certo dia, o gari tentou entrar a força e foi espancado pelo drogado, o coitado ficou cheio de hematomas. Foi realizado o BO, mas a realidade dos cães continua a mesma, correm muitos riscos vivendo ali sem assistência. Eles estão sofrendo muito, precisam sair dali com urgência!

Precisamos de ajuda, qualquer contribuição é bem-vinda, financeira ou materiais de construção para que possamos construir um lar decente para esses anjinhos. Eles não tem nem como se proteger da chuva e do frio. O prazo foi dado pelo drogado depois de muita insistência por parte das protetoras Lígia e Cibele e da equipe do Dr Pedro Book da Delegacia do Meio Ambiente. Por duas vezes tivemos de entrar com força policial para alimentar os cães.

Não houve nenhum acordo. Os veterinários do CCZ de Embu também estiveram lá e nada conseguiram. Encontramos um terreno próximo, mas não temos como comprar o material: 100 metros de alambrado, blocos, cimento e mourões.A despesa será de aproxidamente 2. 800,00 reais em material e mão de obra.

Toda a ajuda será bem vinda,segue uma conta poupança para depósito:

Bradesco Embu

ag 1259-9

conta poupança: 1004446-4

Ligia V M Pereira

Contato: Ligia (11) 9644-2005 Cibele (11) 9788-2480


Fonte: ANDA

domingo, 26 de setembro de 2010

Otima semana.




Queridos(as) desejo a todos vocÊs um otimo início de semana, logo menos estarei trazendo novidades que agradam a todos.

Meu amor e meu Respeito para com todos.

Camila Izabelle

domingo, 18 de julho de 2010

Não Compre, Plante e tome consciência.

Reforçando a Campanha "Segunda sem Carne"



No dia 03 de outubro de 2009 deram inicio a campanha "Segunda sem carne" no Parque do Ibirapuera.

Iniciativa da Sociedade Vegetariana Brasileira em parceria com a Secretaria Municipal do Verde e do Meio Ambiente de São Paulo, a campanha conta já com o apoio do Slow Food São Paulo, do Instituto Nina Rosa, da Revista dos Vegetarianos, do Greenpeace, entre outros. A prefeitura de São Lourenço da Serra aderiu à Campanha. Fique de olho! Apoie essa ideia!

Participe da campanha Segunda sem Carne: uma vez por semana tire a carne do seu cardápio. Você pode conhecer os restaurantes vegetarianos ou simplesmente montar um cardápio sem nenhum tipo de carne. É uma ação simples e de grande impacto.

Pelas Pessoas. Pelos Animais. Pelo Planeta.

Fonte: Vista-se

Paul McCartney e filhas editam ‘encarte vegetariano’ de jornal



Paul McCartney e as filhas Mary e Stella ajudam a editar o suplemento especial dedicado à dieta vegetariana publicado hoje pelo jornal dominical britânico “The Observer”.

“Fiz muitas coisas na minha vida, mas é a primeira vez que pediram para mim e minha família editar um suplemento de revista”, diz o músico na apresentação.

Paul conta que, quando ele e sua primeira mulher, Linda, criaram os filhos com uma dieta vegetariana, a razão principal era o profundo amor que sentiam pelos animais. ”Mas assim que vimos que as cozinhas de muitas culturas tinham pratos que evitavam a carne, começamos a explorar várias opções e, em breve, nos deparamos com um enorme repertório de comida saudável e, o que é mais importante, muito saborosa”, conta.

O ex-beatle promove atualmente uma campanha para que se evite comer carne nas segundas-feiras, como forma de poupar o meio ambiente. Ele lembra que, segundo um relatório das Nações Unidas, a indústria criadora de gado mundial é responsável por mais emissões de gases estufa que todo o setor de transportes.

Stella McCartney explica que o número especial que editaram não tenta transformar os leitores em vegetarianos, mas fazê-los ver que uma dieta do tipo pode ajudar a levar uma vida mais saudável e ecológica, alem de mais barata.

Fonte: Google Notícias, ANDA.

Instituto de reabilitação de cães é acusado de maus-tratos e crueldade contra animais



A Associação de Magistrados e Funcionários da Justiça Nacional, na Argentina, emitiu um documento sobre “cachorros condenados”, encarcerados no Instituto Pasteur, amontoados, maltratados e desnutridos. Assim como acontece nas cadeias para condenados humanos.

Em junho do ano passado, uma delegação da Comissão Interameriacana de Direitos Humanos (CIDH) visitou diversas carcerárias na Província de Buenos Aires, na Argentina, fazendo duras críticas às condições de detenção que sofrem os internos. Agora, a Associação de Magistrados e Funcionários da Justiça Nacional, denunciou que os “cachorros condenados” (porque morderam alguém ou porque seus tutores foram desalojados) são encaminhados pelos juízes ao Intituto Pasteur, onde “são submetidos a tratamento degradante, quando estão sob custódia desse lugar”, localizado na rua Díaz Valez, 4800. Isto mostra que, na Argentina, estar preso é calvário, tratando-se tanto de seres humanos quanto de animais não humanos.

A Associação de Magistrados afirmou que a ‘detenção’ dos animais é decidida por juízes que intervêm em casos de denúncias contra cães que tenham mordido pessoas ou cujos tutores tenham sido desalojados de suas casas e não têm condições para cuidar deles. A Associação afirma que o Intituto Pasteur “não conta com as condições para abrigar animais durante meses, já que as jaulas, sujas e pequenas, foram construídas para dez dias de observação antirrábica. Na realidade, não são adequadas nem sequer para isso, depois de 50 anos de sua construção, o estado das instalações é lamentável”.

A Associação interveio nessa questão depois de apelo feito por parte da Associação Protetora de Animais de Vicente Lopez. Membros da Associacão de Magistrados visitaram o Instituto Pasteur para tomar conhecimento da situação denunciada pelos protetores.

Os juízes concordaram que nessas jaulas miseráveis, os cães “urinam e defecam junto com sua comida e dormem sobre seus excrementos, o que causa feridas na pele que não são tratadas, pois não são cuidadas jamais. A forma de limpar as jaulas é com mangueiras com o animal ainda lá dentro, que fica totalmente molhado, sem importar a temperatura do ambiente”.

É muito importante essa preocupação da Associação de Magistrados e seu grito de alerta pela situação dos animais, que não deveriam ser penalizados por comportamentos cuja responsabilidade é do tipo de educação recebida de seus tutores.

Já os magistrados, por sua parte, descrevem as consequências dos maus-tratos aos animais, cujos músculos “vão-se atrofiando por falta de movimentação”, enquanto “o nível de estresse diminui sua imunidade” e por essas razões “ficam prostrados, o que causa infecções e parasitoses, que terminam, depois de muito sofrimento, com sua vida. Não recebem atenção veterinária, já que as autoridades do Instituto Pasteur alegam que os animais ali estão por ordem judicial”.

A Associação recomendou aos seus juízes afiliados que, quando se tratar de “cão condenado” por morte do tutor, analise-se a possibilidade de deixar o animal com um familiar do falecido.

Vale recordar o episódio ocorrido em 1998, quando 30 vizinhos indignados, armados com pedras e paus, atacaram as instalações do Pasteur a fim de denunciar publicamente que ali “se cometem assassinatos de cães e gatos”.

Obs: O documento da AMJN é para ajudar os cães condenados, que entram por uma porta e não saem pela outra.

Foto: Cão Boxer preso em uma jaula.

Fonte: Página 12, ANDA.

quarta-feira, 14 de julho de 2010

Abiosorvente.


O aBIOsorvente é um absorvente íntimo reutilizável, 100% algodão (anti-alérgico) e surge como uma alternativa ecológica aos absorventes descartáveis que, além de possuírem substâncias tóxicas, são bastante poluentes.

Leia mais em http://www.coisasdemulher.com.br
E adquira o seu.

Fonte: Divulgação Orkut.

Ajude-nos a aprovar esta lei.

Ajude a aprovar a lei que esclarece produtos veganos

Clique,leia com atenção máxima.

Por nós
Pelo planeta
Pelos animais.

Fonte: Vista-se.com.br

terça-feira, 13 de julho de 2010

Receita do Dia.


SAMOSA.

A Chamuça (também conhecida como samosa ou samusa) é uma especialidade de origem indiana.
A seguir a receita deste bélissimo pastélzinho indiano.



  • 3/4 xícara de margarina

  • 1 pitada de sal

  • 1 xícara de farinha integral

  • 3 xícaras de farinha de trigo

  • 1/2 de água morna



Modo de Preparo

Misture as farinhas, a margarina e o sal. Aos poucos adicione cerca de 1/2 xícara de água morna. Amasse até obter uma massa homogénea. Reserve. Prepare o recheio. ( com vegetais, grãos ou soja).

Coloque primeiro o recheio depois quando fecha-la faça movimentos na ponta do pastel como se estivesse costurando que ele cria este formato nas pontas ( como na foto) e coloque na assadeira.
Asse no forno até dourar os dois lados.
Bom Apetite.
Foto: Samosa, que eu mesma fiz (rsrsrs)

quarta-feira, 7 de julho de 2010

Ofícios C.U.RAS






Ofícios C.U.RAS trabalho divinal, desde objectos tais como, caderninhos personalizados, enxovais, tocas Rastafaris, cache coes, filtros dos sonhos e Alimentos 100% Vegano.
Para mais informações visite a pág.no orkut com fotos: http://www.orkut.com.br/Main#Album?uid=16801781013759732825&aid=1272374763&p=0

Encomendas de doces e salgados VEGANOS .5594-0991-Raphaela / 3751-9519-Palloma

Foto: Alimentos 100% Vegano, Lojinha C.U.RAS

Fonte: divulgação Orkut

Feiras Orgânicas em São Paulo.




Arcangeles Orgânicos

Rua Drausio, 618
Butantã
Tel: (11) 24784530

Serviço de buffet com alimentos orgânicos. Coffee-break orgãnico, brunch orgânico, café da manhã orgânico, coquetéis, feiras, congressos

Cecilia Kazuko Wada

Av. Pacaembu, em frente ao estadio pacaembu
Higienopolis
Tel: 6402-0313 9973-8743 Fax: 6405-9200

Verduras, Legumes, Frutas, Cereais organicos, higienizados, hidroponicos
Produtos Japoneses, verduras e legumes importados.


Feira Orgânica

Rua Gastão do Rego Monteiro, 319 - Jd. Bonfiglioli
Cep 05594-030
Tel: 3731-5083 Fax: 3731-3099

Verduras, legumes, frutas, lacticinios, sucos de
frutas, molho de tomate, ovos, grãos etc.

Feira Orgânica
Parque da Água Branca


Dias: terças e sábados
Horário: 7h às 12h
Endereço: Av. Francisco Matarazzo, 455 - Perdizes
OBS: junto á feira, o consumidor também tem a opção de café da manhã orgânico

Feira Orgânica
Ibirapuera

Dias: domingos
Endereço: Rua Tutóia (estacionamento da Igreja do Santíssimo Sacramento)

Feira Orgânica
Parque Previdência


Dias: sábados
Endereço: R. Pedro Pecinini, 88 - KM 12 da Raposo Tavares

Feira Orgânica
Santana do Parnaíba
(Antiga feira de Alphaville)


Dias: terças
Endereço: Av. Vênus, em frente ao Nº14 – Centro de Apoio II

Feira de Alimentos Orgânicos e Biodinâmicos

Dias: quintas
Horário: 7h às13:00hs
Endereço: Rua São Benedito, (em frente ao convento, próximo a Alexandre Dumas)

Dias: sábados (manhã)
Endereço: Mercado Central de SP (R.Cantareira).

Dias: sextas (manhã)
Endereço: Praça Charles Miller (Estádio do Pacaembu)
Frutas, verduras, legumes, laticínios, geléias e pães, entre outros.

Gilberto Gama Gonçalves

Rua Pedro Saconi, 248 - Jardim Mercedes
Cep 13405-325 Tel: (19) 4231785 Fax: (19) 4210534

Verduras e Legumes em geral

Varejão do CEAGESP

Av. Dr. Gastão Vidigal, 1.946 - Vila Leopoldina - SP
Cep 05316-900
Tel:19-4231785 fax: 19-4210534

Frutas, verduras e legumes

Veja qual fica mais próximo de sua casa e visite-as, aproveite bem.

Fonte: planetaorganico.com.br










Cursos

AGRICULTURA ORGÂNICA: CONCEITOS E PRINCÍPIOS, PRINCIPAIS PRÁTICAS, COMERCIALIZAÇÃO E MERCADO

Próximas datas:
sábado, 17 de julho de 2010
sábado, 28 de agosto de 2010

Horário: das 9h às 13h
Taxa: R$ 50,00 (Não Associado AAO) - R$ 40,00 (Associado AAO)
Local: Parque da Água Branca, SP

Conteúdo:

Agricultura Orgânica: conceitos e princípios;
As conseqüências do modelo convencional: um pouco de história;
Principais práticas realizadas pelo agricultor orgânico;
Comercialização: principais canais de comercialização; alternativas e perspectivas; os canais alternativos;
Mercado e tendências.
Docentes:

Araci Kamiyama, engenheira agrônoma, especialista em Tecnologias Ambientais, mestranda em Gestão de Recursos Agroambientais. Desde 2002 trabalha na AAO, coordenando as ações da entidade. É presidente da Câmara Setorial de Agricultura Ecológica.

MAIORES INFORMAÇÕES E INSCRIÇÕES ANTECIPADAS

(011) 3875-2625 ou cursos@aao.org.br

Fonte: http://www.aao.org.br/agriorganica.asp

Produtos Orgânicos: Mercado que cresce ano a ano



A FAO (Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação) realizou em Roma, entre 3 e 5 de maio de 2007, a Conferência Internacional sobre Agricultura Orgânica e Segurança Alimentar, ressaltando a importância da produção desse tipo de alimentos para o mundo. Segundo o documento que foi apresentado:- “a agricultura orgânica não é mais um fenômeno apenas de países desenvolvidos, pois já é praticada atualmente em 120 países, representando 31 milhões de hectares e um mercado de U$ 40 bilhões de dólares em 2006... Quando lavouras certificadas estão relacionadas a melhorias agroecológicas e aumento de renda de agricultores pobres, isto leva ao aumento da segurança alimentar e à revitalização da agricultura familiar... Esses modelos sugerem que a agricultura orgânica tem o potencial para assegurar o abastecimento global de alimentos, assim como a agricultura convencional faz hoje, mas com reduzido impacto ambiental”.Segundo pesquisa da Universidade de Campinas (Unicamp), o mercado de produtos orgânicos cresceu, na década de 90, em média 50% ao ano, chegando a uma receita de US$ 150 milhões. O consumo interno respondeu por US$ 20 milhões apenas, o restante foi exportado para países como Alemanha, França, Japão e Estados Unidos.Segundo o Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), as vendas de produtos orgânicos no país superaram R$ 1,25 bilhões em 2007, com aumento de 25% em relação a 2006. O Brasil já é o segundo maior produtor de orgânicos do mundo e o setor tem 70% de suas vendas voltadas para o mercado externo. Com 800 mil hectares de área cultivada, envolvendo 15 mil produtores, dos quais 80% são pequenos produtores, o país fica atrás somente da Austrália. A produção certificada como orgânica é bastante extensa e diversificada. Inclui, além de frutas e verduras, laticínios, café, cachaça, açúcar, sucos, geléias, azeite de dendê, guaraná, cacau, mel, algodão, óleo de babaçu, soja, arroz, carne de gado, de frango, ovos, extratos vegetais, chás, camarão, cogumelos etc. Os maiores consumidores do mundo são: a Comunidade Européia, Japão, Estados Unidos.O expressivo crescimento do setor de alimentos orgânicos (o setor que mais cresce dentro do mercado de alimentos no mundo) levou os governos dos mais diversos países a criarem suas legislações específicas para esse tipo de produto e a estabelecer programas de incentivo e pesquisa. No Brasil, temos o “Pró-Orgânicos”, programa do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, atuando através de sua Comissão Nacional e das Comissões Estaduais. Nossa Legislação para o setor é a seguinte: a Instrução Normativa n . 007, de 17 de maio de 1999; a Instrução Normativa n º. 016, de 11 de Junho de 2004; a Lei n º. 10.831, de 23 de Dezembro de 2003 e a Portaria n º. 158, de 08 de Julho de 2004.

Fonte: ambiente.hsw.uol.com.br

O que você sempre quis saber a respeito de Produtos Orgânicos.



O que são Produtos Orgânicos?

Produto orgânico é um alimento sadio, limpo, cultivado sem agrotóxicos e sem fertilizantes químicos.
Eles provêm de sistemas agrícolas baseados em processos naturais, que não agridem a natureza e mantêm a vida do solo intacta.

As técnicas usadas para se obter o produto orgânico incluem emprego de compostagem, da adubação verde, o manejo orgânico do solo e da diversidade de culturas, que garantem a mais alta qualidade biológica dos alimentos.
O produto orgânico é completamente diferente do produto da agricultura convencional, que emprega doses maciças de inseticidas, fungicidas, herbicidas e adubos químicos altamente solúveis.

Esses agroquímicos fazem com que os alimentos tenham baixo valor nutricional e, em sua toxicidade pode estar a causa de muitas doenças, que afetam o homem, em proporção crescente. Além do mais, esses agroquímicos contaminam o ambiente, poluindo a água, o ar, a terra, a flora e a fauna.
A Agricultura Orgânica é o modo verdadeiramente científico e respeitoso de produzir alimentos saudáveis e assegurar a integridade do meio ambiente.

ALGUMAS RAZÕES PARA CONSUMIR PRODUTOS ORGÂNICOS

Seu sabor é melhor - O sabor é pessoal, porém existem certos critérios determinados por "degustadores" que afirmam que os alimentos orgânicos possuem mais "gosto" que os alimentos produzidos pelo sistema convencional.
É mais saudável - Os produtos orgânicos crescem sem pesticidas e fertilizantes químicos sintetizados artificialmente. Muitas pessoas possuem hábitos de descascar a cenoura para o preparo de uma salada, devido à possibilidade de ingestão de pesticidas presentes em sua casca. Escolhendo os produtos orgânicos, o consumidor usufrui na totalidade as frutas e vegetais sem a preocupação com o consumo de pesticidas.

São produtos livres de organismos geneticamente modificados - A prática da engenharia genética cria novas formas artificiais de vida que não possuem um desenvolvimento natural. Este processo visa extrair e enxertar genes de uma espécie em outra, para criar novos tipos de safras e animais, objetivando assim uma melhor produtividade e colheita. O assunto é polêmico e ninguém pode afirmar categoricamente sobre os efeitos destes alimentos na genética dos nossos filhos e netos.

É uma cultura que está em harmonia com o meio ambiente - Fertilizantes artificiais e pesticidas são levados aos rios, lagos e lençóis freáticos através das chuvas e/ou irrigação. Traços de pesticidas são encontrados em peixes, gado e outros animais que se nutrem destas águas.
É uma agricultura sustentável - Nos anos 90 foi bem difundida a cultura de "usar o solo até esgotá-lo". Em uma fazenda orgânica as gerações futuras podem usufruir da terra e seus benefícios, pois este tipo de cultura nutre o solo, alimentado-o naturalmente com produtos originados por compostagem e estercos.

É mais nutritivo - Alimentos frescos orgânicos normalmente possuem menor teor de água em sua composição, quando comparado com os alimentos convencionais (aproximadamente 20% menos). Isto significa que os nutrientes estão mais concentrados. Assim como o conteúdo de açúcar, motivo do sabor mais adocicado dos vegetais orgânicos. Produções orgânicas tendem a ter maiores níveis de vitaminas, como em tomates orgânicos, que contêm 23% mais vitamina A do que os convencionais.

IMPORTANTE: O fato de ser um alimento orgânico não elimina a necessidade de lavarmos e desinfetá-los, pois etapas como a água de rega, contato com a terra, manuseio humano e o transporte, são fontes naturais de contaminação.

Se você adotou em seu dia a dia produtos orgânicos e tem alguma dica , por favor divide-a conosco, será sempre bem vindo(a).

Fonte: somostodosum.ig.com.br

Vereador quer a volta dos rodeios em Sorocaba (SP)

Depois de uma intensa campanha que envolveu milhares de sorocabanos e sorocabanas, a Câmara Municipal aprovou, pelo voto de todos os membros, um projeto de lei que proibiu os rodeios em Sorocaba (SP). Em dezembro passado, o prefeito sancionou a lei.

Por conta disto, Sorocaba tornou-se uma referência nacional. Os responsáveis pelo movimento contra os rodeios receberam e-mails de várias partes do país.

Agora, pouco mais de seis meses depois, atendendo os interesses de grupos promotores desta barbárie, o vereador “Cláudio do Sorocaba I” propõe a revogação da proibição.

O ambientalista Gabriel Bitencourt, representante do Movimento em Defesa dos Direitos dos Animais – MDDA, e colunista da ANDA, foi quem levantou as informações sobre a proposta do vereador em questão. Segundo ele, o MDDA e as demais ONGs voltadas à proteção animal lutarão até o fim para que esta proposta não se consolide em lei.

Gabriel propõe uma manifestação contra a tentativa de legalização da tortura. “Para não ficar só na lamentação, proponho ação já”, diz. “Amanhã, quinta-feira, às 9h, vamos à Câmara, com nossas camisetas e faixas, para mostrar nossa indignação. Precisamos do maior número de pessoas possível”.

Fonte: ANDA

120 beagles usados em laboratório são resgatados após fechamento de centro de pesquisa, nos EUA




Cento e vinte beagles que passaram a vida sendo torturados em pesquisas médicas estão hoje livres, desde o dia 2 de julho, sob cuidados de grupos de proteção animal, para depois irem morar com famílias de verdade.

As ONGs americanas Best Friends Animal Society, com sede em Kanabm, Utah, nos EUA, e Pets Alive Animal Sanctuary, de Middletown, NY, se uniram para fazer o resgate.

Em abril de 2010, um centro de pesquisa em Nova Jersey (que testava medicamentos e químicos) fechou por falência. Isso deixou 120 beagles abandonados. Um juiz determinou que os cães, que eram usados em pesquisas médicas e ficaram largados nas gaiolas do local depois da falência, poderiam ser resgatados por ONGs de proteção animal.

A Best Friends deu o alarme para que o país todo se movesse para ajudar esses beagles. Foi também a Best Friends que contatou a Pets Alive, um santuário em Nova York, que se ofereceu para acomodar os cães e disponibilizou suas instalações para as operações de resgate. Várias outras instituições se manifestaram para alojar os animais.

A Best Friends está pagando pelo transporte dos cães, assim como tratamento veterinário, comida e funcionários. A Best Friends vai levar 30 deles para sua própria sede, em Utah, incluindo aqueles que precisam de maior tempo e atenção para serem reabilitados.

Estima-se que os cães tenham entre dois e cinco anos e tenham vivido todo esse tempo no laboratório. Beagles são usados em pesquisas médicas por seu comportamento manso, natureza passiva, boa saúde e tamanho médio.

“A Best Friends está se unindo à Pets Alive em Nova York para ajudar esses animais a terem a segunda chance que tanto merecem. Esses cães viveram em laboratórios por muito tempo, sem amigos, sem vida. Primeiro, irão para a Pets Alive, onde receberão os cuidados de que precisam. Já que nunca tiveram a oportunidade de demonstrarem sua natureza amável, a Best Friends e a Pets Alive se comprometeram a ajudá-los a encontrar novos lares onde poderão ser quem realmente são ”, disse Judah Battista, diretor dos programas comunitários e serviços da Best Friends.

“Nesse caso, a prática cruel e desnecessária de testes em animais foi combinada ao abandono dessas vítimas inocentes. Estamos gratos por ser parte do resgate e continuaremos a nos unir à Best Friends e compartilhar nossa missão para melhorar a vida de nossos companheiros animais”, disse Kerry Clair, codiretora executiva da Pets Alive.

Doações

Esses cães precisarão de hospedagem, comida, caminhas, microchips, coleiras, guias e brinquedinhos para se divertirem. Logo, a melhor forma de ajudar é doando.

Para ajudar a Best Friends, visite www.bestfriends.org

Para ajudar a Pets Alive, visite www.petsalive.com

Fonte: Dog Time , ANDA

Odeio Rodeio.


O coletivo OdeioRodeio é um grupo sem influências partidárias, que luta pela abolição dos animais em "festas" como rodeios,vaquejadas e farras do boi. Os animais não devem ser usados como propriedade da raça humana, e muito menos em eventos que servem unicamente para divertir as pessoas!
Sentir prazer e diversão com o sofrimento de um animal é a demonstração pura do egoísmo e da indiferença sentimental da humana e sua pseudo-superioridade sobre os animais.

Junte-se a nós ! faça parte do nosso coletivo!

- divulgando abaixo-assinados contra os rodeios

- distribuindo materiais de conscientização paras as pessoas

- organizando palestras ( em breve estaremos cedendo material)

- propagando todo conceito de libertação animal de diversas maneiras

Entre em contato conosco que ajudaremos você a potencializar a luta contra os rodeios.Você também pode criar um coletivo filiado ao OdeioRodeio na sua cidade, entre em contato conosco que lhe daremos as instruções para você começar a combater os rodeios hoje mesmo!

Mais informações a respeito entre no site www.odeiorodeio.com
Proteste já vocÊ também não deixe que a Raça Humana desatualizada com o MUNDO , por um simples prazer em diversão maltrate os animais e a nós mesmos que sentimos na pele quando deparamos com isto em televisões, noticiarios,fotos, internet etc.

DIVULGUE, REPASSE, FALE, AJA.

Fonte: odeiorodeio.com

domingo, 4 de julho de 2010

Como germinar grãos:






Colocamos de uma a três colheres de sopa de grãos num vidro e cobrimos com água limpa.
Deixamos de molho por uma noite (8 horas).
Cobrimos o vidro com um pedaço de filó e prendemos com um elástico. Despejamos a água e enxaguamos bem sob a torneira.
Colocamos o vidro inclinado num escorredor num lugar sombreado e fresco
Enxagüamos pela manhã e à noite. Nos dias quentes é preciso lavar mais vezes
Os grãos iniciam sua germinação em períodos variáveis. Em geral estão com a sua potência máxima logo que sinalizam o processo do nascimento, quando ficam prontos para serem consumidos.

Sugestões de sementes:

Todas as sementes comestíveis, tanto pelo homem como pelos pássaros: girassol, painço, niger, colza, aveia, trigo, linhaça, arroz, centeio, gergelim, grão de bico, amendoim, lentilha, nozes, castanha do Pará, amêndoas, ervilha, feno-grego, etc.

Fonte: Puc- Rio.




Coloque 2 maçãs picadas sem sementes no liquidificador. Bata com a ajuda de um pepino como socador para auxiliar a extrair o líquido que mora dentro dos vegetais. Acrescente um punhado de grãos germinados, folhas verdes comestíveis: couve, chicórea, hortelâ, o legume e a raiz escolhida na proporção indicada, variando as hortaliças sempre que possível e privilegiando as de produção orgânica. Coe num coador de pano e beba logo em seguida. E se delicie com a força da energia vital!

Fonte: Puc- Rio.

Grãos germinados na alimentação humana.



Nos grãos germinados todo o imenso potencial nutritivo está desenvolvido ao máximo, havendo liberação de energia, bem como de uma série de enzimas e de catalisadores que facilitam a absorção dos principais nutrientes do grão pelo organismo.

Existem relatos de que a germinação de grãos na alimentação humana já era usada pelos Chineses, na época da construção da Grande Muralha da China, aproximadamente três séculos antes de Cristo, em que o Imperador Shang Nung indicou o uso de grãos germinados como meio de preservar a saúde. Posteriormente vários povos começaram a usar esse alimento, entre eles os Sumérios há 6.000 anos.

Podem ser germinados cereais integrais, como trigo, centeio, aveia e cevada; leguminosas, como soja, lentilha, tremoço, feijão mungo, alfafa e ervilha; além de agrião, rabanete, abóbora, girassol, linho e gergelim, sendo também os mais apreciados pela textura e sabor de seus brotos.

Os brotos de grãos podem ser obtidos por processo caseiro ou em germinadores (maior escala e pode-se escolher entre processo com luz ou no escuro). Para a germinação sempre devem ser usados grãos inteiros (não partidos, não socados) e de boa qualidade (se este item não for observado os grãos apodrecem antes de germinar), a água usada também precisa ser de boa qualidade.

Quando um grão tem água, oxigênio e calor necessários, germina para formar um novo ser vivo, uma planta que por sua vez produzirá novas sementes. Uma maneira caseira de obter grãos germinados é, depois de catar e lavar bem os grãos, colocá-los numa vasilha e cobrir com água (colocar aproximadamente o mesmo tanto de água que de grãos).

Deixar de molho durante um dia e, em seguida, lavar os grãos novamente, deixando-os úmidos por mais um dia, mas sem nova adição de água. No dia seguinte aparecerão pontos brancos nos grãos, o que indica o início do processo de germinação e que estão com sua potência máxima (o tempo de germinação pode variar de acordo com o grão, a temperatura ambiente, etc), estando prontos para ser consumidos. Podem ser conservados na geladeira para a germinação não se realize muito rapidamente.

Nos grãos germinados todo o imenso potencial nutritivo está desenvolvido ao máximo, havendo liberação de energia, bem como de uma série de enzimas e de catalisadores que facilitam a absorção dos principais nutrientes do grão pelo organismo. No caso dos grãos de cereais germinados, os teores de alguns aminoácidos aumentam (entre eles a lisina que é um aminoácido essencial e é encontrado em baixos teores nos cereais sem germinar); também aumentam os teores de algumas vitaminas (antioxidantes, como a vitamina C e beta-carotenos) e minerais (aqueles na forma de fitatos, indisponíveis, são liberados enzima fitase para absorção); o amido é hidrolisado, aumentando o teor de açúcares; e as proteínas insolúveis são solubilizadas, melhorando sua digestibilidade.

O valor nutricional de grãos germinados assemelha-se ao de frutas e de verduras por seu conteúdo de água, vitaminas, minerais e enzimas. Como os grãos germinados estão pré-digeridos e são assimilados muito facilmente pelo nosso organismo, estimulam os processos digestivos e regeneram a flora intestinal. Aportam poucas calorias, por isso são usados para dietas de controle de peso (por exemplo, brotos de alfafa aportam 29 calorias para cada 100 gramas; brotos de soja, 30; brotos de feijão, 44; e brotos de trigo, 110). Seu consumo é indicado para pessoas com estômago sensível (há as que não toleram os grãos cozidos, mas aceitam bem os grãos germinados). Além disso, são simples de preparar, podem ser ingeridos logo em seguida de estarem germinados, sejam puros; seja na forma crú em saladas, com frutas, mel, sal marinho, leite; sejam grelhados, em tortilhas ou formando parte de diversos pratos cozidos, neste caso sugere-se adicioná-los ao final para que não percam suas propriedades.

Fonte: Grupo Cultivar.

Reforçando a Campanha "Segunda sem Carne"


No dia 03 de outubro de 2009 deram inicio a campanha "Segunda sem carne" no Parque do Ibirapuera.

Iniciativa da Sociedade Vegetariana Brasileira em parceria com a Secretaria Municipal do Verde e do Meio Ambiente de São Paulo, a campanha conta já com o apoio do Slow Food São Paulo, do Instituto Nina Rosa, da Revista dos Vegetarianos, do Greenpeace, entre outros. A prefeitura de São Lourenço da Serra aderiu à Campanha. Fique de olho! Apoie essa ideia!

Participe da campanha Segunda sem Carne: uma vez por semana tire a carne do seu cardápio. Você pode conhecer os restaurantes vegetarianos ou simplesmente montar um cardápio sem nenhum tipo de carne. É uma ação simples e de grande impacto.

Pelas Pessoas. Pelos Animais. Pelo Planeta.

Fonte: Vista-se

Conheça os mitos sobre o consumo de soja e seus reais benefícios para a saúde



Na sua última entrevista para a Rádio BBC de Londres, a nutricionista e ativista vegana Dra. Justine Butler foi mais uma vez questionada sobre a segurança da alimentação com soja. As pessoas querem saber se a soja causa aumento das mamas em homens, se é boa para os bebês, se interfere na tireoide ou se contribui para o desmatamento, e alguns até mesmo acreditam que a alimentação com o grão pode causar câncer.

A soja divide opiniões como nenhum outro grão, mas será que realmente existem ameaças ocultas ou são apenas lendas criadas pela brigada antissoja para seus próprios interesses? Com um olhar mais próximo, constatamos que a maioria das informações duvidosas surgiram do mesmo grupo: A Weston A Price Foundation (WAPF), sediada nos EUA.

A WAPF tem como objetivo promover uma “boa nutrição” incentivando o consumo de produtos de origem animal o mais naturais possível – particularmente o leite de vaca sem processo industrial. O grupo alega que a gordura saturada é essencial para uma boa saúde e que altos níveis de colesterol não têm relação com câncer ou doenças cardíacas. Eles também pregam que os vegetarianos têm baixa expectativa de vida, e que os humanos historicamente sempre ingeriram muita gordura animal. Tudo isso, é claro, contradiz todos os conselhos nutricionais do mundo, incluindo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a American Dietetic Association e a British Medical Association.

Conforme reportagem do jornal The Guardian, a duvidosa organização usa citações científicas falhas para promover seus próprios interesses e já influenciou muitos consumidores, fazendo-os pensar que a soja é um péssimo alimento.

Todas as intrigas começaram na Nova Zelândia, em 1990, quando um advogado de sucesso contratou o toxicologista Mike Fitzpatrick para descobrir o que estava matando seus papagaios de estimação.O especialista resolveu culpar a ingestão de soja, e desde então passou a acusar o grão de ser impróprio para a alimentação humana, mesmo sendo consumido há mais de 3.000 anos.

A Dra. Butler participou de uma entrevista com Fitzpatrick para falar dos efeitos da soja, mas o convidado foi tão agressivo que a rádio nem sequer transmitiu. Curiosamente, ele é membro da WAPF.

Outro membro da organização é o Dr. Stephen Byrnes, que publicou um artigo na revista Ecologist afirmando que o vegetarianismo não é saudável e que destrói o meio ambiente. Ele se gabou de sua forma robusta e dieta rica em gordura animal – mas, infelizmente, morreu de derrame aos 42. Havia mais de 40 citações equivocadas no tal artigo, além de recortes fora de contexto de alguns estudos. Mais curioso ainda é que o editor da revista também é membro da WAPF.

O Dr. Kaayla Daniel, por sua vez, é um dos diretores da WAPF, e publicou um livro dedicado exclusivamente a atacar a soja (A História Completa da Soja). O engraçado é que o grupo gasta muito mais tempo difamando o grão do que efetivamente promovendo seus supostos produtos saudáveis (leite puro, queijo, ovos, fígado etc.).

Uma das preocupações que rondam a soja é a presença de fitoestrógenos (hormônios vegetais), que poderiam afetar o desenvolvimento sexual e a fertilidade. Se houvesse qualquer evidência desse efeito em humanos, com certeza o grão teria sido banido dos alimentos infantis ou pelo menos existiriam alertas nas embalagens.

Um comitê de toxicidade formado em 2003 pelo Ministério da Saúde reportou a ausência de qualquer distúrbio sexual ou hormonal em populações com alto consumo de soja, como chineses e japoneses. É interessante lembrar também que a China tem a maior população do mundo, com 1,3 bilhão de habitantes e que consome muita soja há 3.000 anos.

Na verdade, não existem evidências científicas de que o consumo de soja faz mal aos seres humanos. Todas as afirmações da WAPF são falsas ou baseadas em experimentos equivocados feitos com animais não humanos. Primeiro, os fitoestrógenos se comportam de forma diferente de acordo com a espécie, então os estudos em animais não se aplicam a humanos. Segundo, os intestinos agem como uma barreira para esses hormônios, logo as injeções de fitoestrógenos aplicadas artificialmente em animais são um método totalmente falho. Finalmente, a maior parte desses experimentos expôs as cobaias animais a níveis absurdamente altos de hormônios, impossíveis de ser absorvidos pelos seres humanos em uma alimentação regular com soja.

Cada vez mais cientistas e médicos estão comprovando que os testes em animais não podem servir como base para políticas de saúde pública. O Dr. Kenneth Setchell, professor de pediatria do Hospital Infantil Cincinnati, afirma que ratos e macacos metabolizam certas substâncias da soja (isoflavonas) de forma diferente dos humanos, e que a única referência apropriada para estudar o desenvolvimento sexual humano está nos bebês. Cerca de 25% dos bebês americanos são alimentados com fórmulas à base de soja há anos, e a ausência de efeitos causados pelo grão sugerem que não há problemas biológicos ou clínicos associados ao seu consumo.

Na realidade, grãos de soja contêm muitos nutrientes de alto valor e são uma excelente fonte de proteína. As evidências mostram que a proteína de soja abaixa os níveis de colesterol e protege contra doenças cardiovasculares, diabetes, efeitos da menopausa e certos tipos de câncer. O grão também pode ajudar na prevenção de problemas ósseos e estimular as habilidades cognitivas de algumas pessoas, e felizmente o número de estudos científicos que apontam os benefícios da soja continuam a crescer cada dia mais.

Como último recurso, os inimigos da soja a condenam alegando que sua produção tem grande impacto ambiental na Amazônia. Eles até estão corretos em se preocupar, porém o problema não está no consumo humano de soja, e sim no fato de que 80% da produção do grão ainda é usada para alimentar o gado da pecuária, para que assim todos possam consumir carne e derivados de animais.

Tanto as florestas quanto nossa saúde teriam muitos benefícios se mais pessoas trocassem os derivados de animais por uma dieta rica em vegetais, incluindo a soja.

Da próxima vez que você ouvir alguma estória tenebrosa sobre os malefícios da soja para a saúde humana, não deixe de questionar quais foram as evidências apresentadas.

O artigo é de autoria da própria Dra. Justine Butler, para o jornal britânico The Guardian

Foto: Missô com tofu.

Fonte: ANDA

Festival de cultura e Consciência


Participe você também, ENTRADA FRANCA.

Fonte: Animalista, ANDA.

PETA agradece à FIFA pela Jabulani não usar couro animal



Muitos criticaram a Jabulani. Outros disseram que ela não era tão ruim assim. Elogios foram poucos, bem poucos, e vieram não de quem não joga futebol, mas de quem protesta contra a crueldade com os animais.

A organização PETA (Pessoas pelo Tratamento Ético dos Animais, na sigla em inglês) vai promover na quinta-feira,08, em Joanesburgo, um evento para agradecer pelo fato de a bola da Copa do Mundo ter sido produzida sem utilizar couro de origem animal, com 32 modelos nus com o corpo pintado com as cores das bandeiras os países participantes do Mundial.

A PETA também agradeceu a alguns fornecedores de material esportivo por produzirem chuteiras que também não são feitas com material de origem animal. A entidade também declarou-se “fã” de nove jogadores da Copa que calçam chuteiras de material sintético: Robinho, Cristiano Ronaldo, Deco, Steven Gerrard, Cesc Fabregas, Javier Mascherano, Mesut Özil e Andreas Iniesta.

“Nós parabenizamos a Fifa pela decisão de banir as bolas de couro bovino dos gramados”, disse o diretor da PETA, Jason Baker.

Segundo a organização, a maior parte do couro utilizado na produção de bolas e chuteiras vem de países sem leis contra maus-tratos de animais, como China e Índia, cujo couro é retirado de bois e vacas submetidos a mutilações, queimaduras e exposição a doenças diversas.

Foto: Pessoa fantasiada de vaca divulga evento pró-jabulani

Fonte: ANDA.

Tristeza dos animais em zoológico de Barcelona é registrada por fotógrafo



Em 2008, o fotógrafo espanhol Oscar Ciutat teve a ideia de captar, em detalhes, o olhar de diversos animais mantidos em cativeiro no zoológico de Barcelona. O objetivo era saber se as imagens mostrariam a falta de liberdade presente no cotidiano destes animais. O resultado é a série fotográfica Caged, uma verdadeira comprovação de que os olhos são o espelho da alma.

Hipopótamos, elefantes, ovelhas, rinocerontes. Animais diferentes entre si, com o mesmo semblante em comum: o olhar vazio que parece transmitir melancolia, alheamento e tristeza, como se fossem conscientes da sua real condição. Um olhar semelhante ao de seres humanos que já passaram boa parte de sua vida em uma prisão.

Com este trabalho, Ciutat levanta uma questão importante: a validade dos zoológicos como ferramenta de proteção aos animais e educação ambiental. É sabido que um animal em cativeiro sofre uma série de alterações comportamentais por estar privado de seu habitat natural e de estímulos adequados para o seu desenvolvimento. A exposição ao grande público, que não demonstra respeito para com os animais, também não contribui.

O confinamento em um ambiente limitado e sem desafios pode resultar em situações de tédio, estresse e até mesmo depressão. Desta maneira, o tempo de vida acaba por diminuir sensivelmente. Não por acaso, o mesmo zoológico de Barcelona das fotos de Ciutat virou notícia há algum tempo, por conta de uma elefanta que poderia “morrer de tristeza” caso não fosse transferida para outro local, de acordo com uma ONG espanhola.

Nas últimas décadas, biólogos e ambientalistas têm se esforçado para transformar o zoológico em um ambiente verdadeiramente saudável para os animais e educativo para o homem. Conceitos como enriquecimento ambiental e a preferência por santuários e reservas ecológicas são algumas das iniciativas que podem ajudar animais cativos a ter uma vida melhor a longo prazo, e certamente um olhar diferente dos registrados por Oscar Ciutat.

Espelho da Alma.

Fotos: Reprodução/Obvious

Fonte: Obvious, ANDA

quinta-feira, 25 de março de 2010

Restaurante que vendia carne de baleia fecha nos Estados Unidos

Voluntários da Sea Sherpherd, Zoli Teglas, e muitos outros, incluindo o produtor Charles Hambleton, do documentário vencedor do Oscar The Cove, o restaurante The Hump, em Santa Mônica, na Califórnia, Estados Unidos, está fechando as portas. Sob investigação secreta, o restaurante foi pego vendendo carne de baleia Sei, em óbvia violação da lei federal dos EUA.

A atenção gerada por voluntários protestando do lado de fora do restaurante e acompanhando as investigações foi o que denunciou a atividade e aumentou significativamente a pressão aos donos do restaurante. No final, a pressão era grande demais.

Em depoimento postado em seu website, o restaurante The Hump explica:

“O The Hump espera que, fechando suas portas, ajude a trazer consciência para o efeito prejudicial que a caça tem sobre os ecossistemas e espécies do oceano. Fechar o restaurante é uma punição no topo da lista que será emitida pela corte. O dono do The Hump também estará agindo para salvar espécies em risco.”

A Sea Shepherd irá continuar denunciando restaurantes que servem carne de baleia e espera que o The Hump seja um exemplo no combate ao crime.

Foto: Ativistas protestam pelo fechamento do restaurante The Hump (Imagem: Sea Shepherd)

Fonte: Sea Shepherd, ANDA

domingo, 7 de março de 2010

Animalista: Novo Blog da MTV sobre o Veganismo e Direitos dos Animais

O (já) antigo blog Vida Vegetariana da MTV Brasil, da autora Cris Maejima, dá espaço ao mais novo blog dedicado a todos os assuntos relacionados a veganismo e a direitos animais: o Animalista.

Aqui a Cris se despede e aqui a Andréa, brasileira que mora em Nova Iorque, dá seu primeiro alô.

Acesse sempre e dê essa força à Andréa: www.mtv.com.br/animalista

Fonte: Vista-se.com.br

sábado, 6 de março de 2010

Abobrinha com Recheio de Soja e Coentro


Ingredientes:

4 abobrinhas

1 copo de molho vermelho

3 xicarás de soja (PVT)

3 colheres de oléo

1 /2 copo de água

1 tomate

Oregano á gosto

Manjericão á gosto

Coentro á gosto

Sal á gosto

Modo de Preparo:

Lave as abobrinhas ,corte o bico delas pequeno , depois com uma colher em sentido horário tire o miolo das abobrinhas , cozinhe o miolo em uma panela com água quando estiverem já mole escorra ,reutilize a água para depois cozinhar as abobrinhas. Deixe a soja de molho em água quente depois de pronta coe em uma peneira e aperte-as até ficar bem secas adicione na panela a soja o miolo cozido os tomates picados em cobinho ,oregano, manjericão, manjerona e sal á gosto. Recheie as abobrinhas e leve ao fogo deixe elas fritar por alguns minutos adicione o molho vermelho á agua e uma pitada de sal. Deixe cozinhar por alguns minutos e pronto.

Bom Apetite.

Foto: Abobrinhas com Soja (eu mesma fiz)

Fonte: Dona Luiza e Camila Izabelle

sábado, 27 de fevereiro de 2010

Santo André terá feira de adoção neste domingo

O CCZ (Centro de Zoonoses) de Santo André vai realizar neste domingo (28), no Parque Central, a primeira edição do ano da Feira de Adoção Gratuita de Animais, a Adotanimal. No total, 20 animais entre cães e gatos estarão à procura de um novo lar.

Os futuros responsáveis devem ter mais de 18 anos, apresentar RG, CPF e um comprovante de endereço, além de passar por uma entrevista com uma das veterinárias do CCZ para receber orientações gerais sobre cuidados como alimentação, vacinas e dicas de educação.

Os animais terão um RGA (Registro Geral de Animal), cadastrado em nome do adotante, e, caso sofram maus tratos ou abandono, o tutor será responsabiliado, respondendo legalmente pelo ato. Os cães e gatos adultos já estão castrados, vacinados, vermifugados, de banho tomado e com adereços.

Já os filhotes são vermifugados e ganham descontos em consultas ao veterinário, assim como a primeira dose da vacina V10, além do banho. Quando atingirem idade acima de cinco meses, são vacinados gratuitamente com a anti-rábica, custeada pela Prefeitura de Santo André. No ano passado, o CCZ doou 135 gatos e 361 cães, um número expressivo e que só tende a crescer neste ano.

Serviço: Adotanimal, neste domingo (28), das 10h às 16h, no Parque Central, que fica na Avenida José Bonifácio, s/n, bairro Val Paraíso, Santo André.

Fonte: ABC dos Bichos, ANDA

Gatos são degolados em ritual satânico no Chile



Em Villa Alemana, no Chile, a polícia prendeu nove pessoas, entre 18 e 24 anos, que degolaram cinco gatos com facas de cozinha durante ritual satânico.
A polícia descobriu o ritual enquanto identificava o condutor de um automóvel estacionado nas proximidades do local. Dentro do automóvel havia oito pessoas escondidas. Ao serem questionados pela polícia, os ocupantes do automóvel disseram que estavam apenas tomando bebida alcoólica. No entanto, a polícia encontrou no veículo sacolas com as facas de cozinha ensanguentadas, e um pequeno filhote de gato ainda vivo.

Segundo informaram os policiais, todos vestiam roupas pretas e no local do ritual havia desenhado no chão uma estrela com cinco pontas, iluminada por velas pretas, e os corpos dos gatos foram dispostos em cada ponta da estrela. Por essas características, a polícia confirmou se tratar de um ritual satânico.

As nove pessoas envolvidas no ritual, quatro homens e cinco mulheres, usavam luvas de borracha com manchas de sangue no momento da prisão. No entanto, foram liberados e responderão pelo crime de maus-tratos a animais.

Foto: Cinco gatos foram degolados em ritual satânico. (Imagem: PrensAnimalista)

Fonte: PrensAnimalista, ANDA